Home » Entrevistas » Gol da Alemanha

Gol da Alemanha

Dr.-Roland-Fleck,-CEO-global-da-NürnbergMesse,--01

Dr. Roland Fleck, CEO global da NürnbergMesse, fala sobre sua trajetória e conta sobre o modelo alemão de realização de feiras.

O grupo NürnbergMesse é uma das 15 maiores empresas organizadoras de feiras do mundo e faz parte das dez maiores empresas da Europa. O portfólio inclui mais de 120 feiras e congressos internacionais em Nuremberg (Alemanha) e em todo o mundo. Anualmente, cerca de 30 mil expositores (39% internacionais) e mais de 1,4 milhão de visitantes (22% internacionais) participam dos eventos organizados pelo grupo NürnbergMesse, que está presente, por meio de suas subsidiárias, na China, América do Norte, Índia, Itália e, claro, Brasil.

A NürnbergMesse Brasil é hoje a segunda principal operação da companhia, que aposta muito no mercado brasileiro. A Radar Magazine conversou com o Dr.Roland Fleck, que, ao lado de Peter Ottmann, é CEO global da promotora. Confira:

Como foi sua trajetória profissional antes da NürnbergMesse?

Os primeiros dez anos de minha carreira eu dediquei a uma instituição financeira, na qual fui responsável por muitos clientes no setor de finanças corporativas. Atuei nesta área no HYPO-Bank, na Alemanha. Bom, estes foram meus dez primeiros anos de carreira profissional, que foram muito importantes para mim. Depois destes dez anos, houve uma pequena surpresa.

Qual foi a surpresa?

Em 1996, eu tinha dois anos de contrato com esta instituição financeira para trabalhar em Nova York e, nesta época, nós saímos vencedores das eleições em Nuremberg. Eu era ativo na política, membro do CSU (partido político alemão) na Bavária, e ganhamos a disputa. Eu, então, tive que decidir em apenas dois dias se iria para Nova York ou permaneceria em Nuremberg para assumir as responsabilidades designadas a mim, que era vice-prefeito de Nuremberg e conselheiro para os assuntos econômicos da cidade. Esta responsabilidade eu tive por quinze anos. Há cinco anos, em 2011, eu deixei esta posição e assumi a responsabilidade de ser CEO do Grupo NürnbergMesse.

E hoje, como é o desafio de estar a frente da NürnbergMesse?

A NürnbergMesse é uma das maiores organizadoras de feiras da Alemanha e da Europa, com um importante crescimento mundial neste setor. Cerca de 85%/90% do seu negócio é executado em Nuremberg, onde temos um centro de convenções com 170 mil m², com 15 pavilhões diferentes. Ele é a nossa base para realizarmos eventos que são líderes mundiais em diversos setores.

Poderia citar algumas destas feiras?

Temos, por exemplo, a Feira Internacional de Brinquedos (Spielwarenmesse); a BioFach, feira que é líder mundial para o setor de alimentos orgânicos; a Fensterbau Frontale, também líder mundial para o setor de janelas; a Interzoo, principal evento mundial para o setor pet; a Brau Beviale, evento muito importante com tecnologia para bebidas… Anualmente, nosso portfólio conta com 120 eventos, sendo que 30 deles são realizados em outros países.

Quais são estes países?

Nossos principais eventos são em Nuremberg, mas temos também eventos no Brasil, Índia, Estados Unidos e na China. Nossa principal subsidiária é a brasileira, com a China vindo na segunda posição. Somando todo o grupo, ocupamos o top 15 das principais promotoras mundiais e o top 10 na Europa. Se você comparar nossa história com a de outras promotoras, principalmente da Alemanha, verá que somos jovens. Temos apenas 44 anos. Olhando desta maneira, ver que, em apenas 4 décadas, conseguimos alcançar o top 10 na Europa e top 15 mundial é um desenvolvimento ótimo e uma grande história.

Na Alemanha, as promotoras possuem um modelo diferente do que conhecemos no Brasil. Você poderia explicar melhor?

Na Alemanha, nós temos uma espécie de tradição. As principais promotoras de feiras possuem grandes centros de convenções, com tamanhos que vão de 170 mil m² a 400 mil m². Estas grandes promotoras pertencem aos estados e cidades. Este modelo passou a acontecer mais após a Segunda Guerra Mundial, quando novos centros de convenções foram construídos. Ou seja, o modelo deste negócio na Alemanha possui acionistas do setor público, que são proprietários de seus próprios centros de convenções, onde realizam seus eventos.

Como é a composição administrativa na NürnbergMesse?

Na NürnbergMesse, nós temos, no total, quatro acionistas. As câmaras de comércio (0.03%) e artesanato (0.03%) são os acionistas minoritários. Já os acionistas principais são o Estado Livre da Bavária (49.967%) e a cidade de Nuremberg (49.967%).

Dentre os 120 eventos realizados, todos são no setor de feiras de negócios?

Nos últimos anos, temos realizado uma média que fica entre 120 e 150 eventos e, dentre eles, estão, por exemplo, congressos que acontecem em cooperação. Temos 17 feiras realizadas pela Nürnberg-Messe e estes eventos são a parte mais importante do nosso negócio. Com as subsidiárias, realizamos outros 30 eventos fora da Alemanha. Juntando os eventos alemães com nossos internacionais conseguimos atrair, anualmente, 30 mil expositores e 1.4 milhão de visitantes. É importante lembrar que a NürnbergMesse realiza habitualmente eventos B2B (sigla para business to business). Ou seja, nossos eventos não têm direcionamento ao consumidor final. Focamos apenas no B2B e, em razão disso, vejo neste 1.4 milhão um ótimo número.

Qual a importância do mercado brasileiro para o grupo?

Há sete anos decidimos investir no setor de feiras de negócios brasileiro. Naquela época, do meu ponto de vista, era a decisão correta. Atualmente, temos muitos desafios econômicos e políticos no Brasil, mas, do meu ponto de vista, continua sendo uma decisão certa estarmos presentes neste país com a nossa subsidiária, e queremos estar cada vez mais presentes.

E quais são os planos de investimento para os próximos anos no Brasil?

Nos próximos anos, será importante por um lado realizar e fortalecer os eventos que já realizamos, o que será um desafio por conta deste momento atual que o país atravessa. Pelo outro lado, queremos investir mais no Brasil. Acreditamos muito no Brasil, um país com 200 milhões de habitantes e muito importante para a América do Sul. Vemos uma ótima oportunidade para os negócios ligados a feiras e eventos. Temos que pensar em 2017, 2018, e ver como a economia irá se comportar futuramente, mas nós acreditamos no Brasil, vamos permanecer e desenvolver nossos negócios no país, que é um dos mais importantes mercados para o futuro.

 

LUIS MARINO ORSOLON | luis@gruporadar.com.br

About the author

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>